sábado, 17 de maio de 2014

Contagem regressiva...

Segunda-feira (19.05.2014), na Livrarias Curitiba do Shopping Palladium, lançamento do romance "O ALVORECER NOS PINHEIRAIS – Imigrantes alemães na terra das araucárias", relato da saga de diversas gerações de imigrantes alemães que se fixaram no Paraná.
Cerco da Lapa, Guerra do Contestado, Primeira e Segunda Guerras Mundiais, Ditadura Militar e Redemocratização: esses são alguns dos eventos que servem de palco às aventuras, descobertas, dificuldades, conquistas e cenas simples do cotidiano de personagens (fictícios) que retratam um pouco da história da imigração alemã no Paraná.
É o segundo romance da curitibana Marion Aranha Pacheco Muggiati. O primeiro, "BERÇO AFRICANO", foi selecionado pelo "Programa Mais Autores" da Editora Cidadela e lançado na Feira do Livro de Porto Alegre, em 2010.
A par da carreira jurídica, a autora participa de entidades culturais (Círculo de Estudos Bandeirantes, Centro de Letras do Paraná e Centro Paranaense Feminino de Cultura) e encontra na escrita e na leitura ficcional seus momentos de lazer e de aprimoramento. O amor pelos livros vem desde a infância. Condessa de Segur, Maria José Dupre e Fiodor Dostoievski foram seus companheiros de adolescência.
Foto: Segunda-feira (19.05.2014), na Livrarias Curitiba do Shopping Palladium, lançamento do romance "O ALVORECER NOS PINHEIRAIS – Imigrantes alemães na terra das araucárias", relato da saga de diversas gerações de imigrantes alemães que se fixaram no Paraná.
Cerco da Lapa, Guerra do Contestado, Primeira e Segunda Guerras Mundiais, Ditadura Militar e Redemocratização: esses são alguns dos eventos que servem de palco às aventuras, descobertas, dificuldades, conquistas e cenas simples do cotidiano de personagens (fictícios) que retratam um pouco da história da imigração alemã no Paraná.
É o segundo romance da curitibana Marion Aranha Pacheco Muggiati. O primeiro, "BERÇO AFRICANO", foi selecionado pelo "Programa Mais Autores" da Editora Cidadela e lançado na Feira do Livro de Porto Alegre, em 2010.
A par da carreira jurídica, a autora participa de entidades culturais (Círculo de Estudos Bandeirantes, Centro de Letras do Paraná e Centro Paranaense Feminino de Cultura) e encontra na escrita e na leitura ficcional seus momentos de lazer e de aprimoramento. O amor pelos livros vem desde a infância. Condessa de Segur, Maria José Dupre e Fiodor Dostoievski foram seus companheiros de adolescência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário